jul 07, 2017 | Por Mandy em Publieditorial, Reflexão, Starving recomenda

Eu, meus crushes e o happn

Não sou muito de falar da minha vida pessoal por aqui e nas redes sociais mas, quem me acompanha há mais tempo, sabe que eu namorei durante 10 anos – sim, 10 anos! rs… Desses 10, morei junto 4. Ou seja, é MUITO tempo. Um terço da minha vida com a mesma pessoa. Estou solteira desde o final de 2015 e essa experiência tem sido super importante pra minha evolução pessoal – e divertida também, claro! rs

Logo nessa época, saí com a , do F-uti, para conversar sobre meu término e ela me apresentou o happn. Me incentivando a baixar o aplicativo, ela me mostrou como funcionava e achei aquela novidade tecnológica super interessante, rs…

Tenho amigas que não se sentem muito à vontade de usar aplicativos de paquera, mas eu sou super a favor. Acho uma mão na roda e um grande facilitador na hora de conhecer novas pessoas. Com o happn então, fica ainda mais fácil, porque você cruza com as pessoas que andam por onde você passa (em um raio de 250m). Então, volta e meia rola de ir em um evento/festa e cruzar no happn com quem você achou interessante, mas teve vergonha de flertar pessoalmente, rs…


Quando você cruza com um cara bonitinho…


…e dá Crush!

Conheci pessoas bem legais no happn e comecei a incentivar minhas amigas solteiras a usarem também. Uma delas, inclusive, conheceu seu atual namorado no aplicativo e eles estão morando juntos há alguns meses. De nada, Cris, rs… #madrinha

Bom, como usuária do aplicativo há um ano e meio, achei bem legal quando o pessoal do happn me procurou para contar um pouco da minha experiência com o app. E olha, vou falar que o que eu tenho é história pra contar, viu, rs…

O meu primeiro encontro do happn (e o primeiro EVER depois de 10 anos!) foi também a história mais bizarra de todas, rs… Depois de algumas mensagens com um menino bonitinho que já tinha visto através do happn da Jô, descobri que ele morava na minha rua, apenas alguns prédios depois do meu. Uns dias se passaram e combinamos de tomar um chopp em um bar perto da nossa casa. Foram horas e mais horas de papo e uma conexão bem legal. De madrugada, na hora de ir embora do bar, perdemos a noção da periculosidade que o Rio de Janeiro possui e resolvemos voltar a pé, já que estávamos bem perto de nossas casas – praticamente na esquina. E eis que, um cara salta de um carro do nosso lado, com uma arma na mão, e assalta a gente.

SIM, fui assaltada com o crush no meu primeiro date pós-solteira. Resultado: levaram minha bolsa com tudo dentro e a carteira dele. Adivinhem aonde foi o segundo encontro?! Na delegacia fazendo B.O. juntos no dia seguinte, hahaha. Depois disso, continuamos saindo algumas vezes. Aí os encontros foram diminuindo e ele voltou a morar em São Paulo. Mas taí uma história que depois do acontecido virou cômica, rs…

Sabe aquele encontro que você meio que não espera muita coisa porque a pessoa mora longe e está de passagem na sua cidade? Então… Esse foi um que me surpreendeu positivamente. Encontrei com ele em um festival de cerveja e o date já começou engraçado porque tem certas coisas que só acontecem comigo.

Marquei com o crush no evento e, quando vejo ele vindo de longe na minha direção (“nossa, que graça!“, pensei), eis que surge: meu pai, meus primos e meu irmão. “Amanda, o que você tá fazendo aqui? Nem avisou que vinha! Vamos ali pegar uma cerveja!”. O crush dá meia volta e some, envergonhado, claro. Eu: “Ehhhh, vim encontrar uma amiga. Preciso ir no banheiro. Vejo vocês depois, beijo”. Mensagem pro crush: “Ei, volta aqui, eles já foram, rs”. Crush responde: “Ok, haha 🙊”. Eu pensando: “Ufa, graças! Não perdi o crush”. Papo vai, papo vem e mais algumas cervejas depois a vida aconteceu (leia-se, os beijos, haha) e tudo deu certo.

Eu já estava crente que nem ia mais encontrar com ele novamente, mas marcamos mais um encontro antes dele ir embora. Depois de duas semanas nos encontramos em São Paulo e continuamos nos falando, todos os dias, por quase dois meses. Só paramos de nos falar por um tempo porque eu estava envolvida mais seriamente com outra pessoa. Esse relacionamento acabou não dando certo e foi então que voltamos a trocar mensagens. Nos encontramos mais duas vezes em São Paulo (ele não mora lá, mas é o meio do caminho, rs) e continuamos nos falando frequentemente e, o que tinha tudo para nunca mais acontecer, acabou virando uma relação super bacana. Eu sei que não vai evoluir para algo mais sério, ele também e tá tudo certo. Sabe quando tudo flui naturalmente e não existe pressão, nem joguinho?! O que vale é o carinho e os momentos legais que passamos juntos de vez em quando. 

Um dos meus primeiros encontros foi com um menino que, assim que eu o vi no happn, pensei: “Opa! Te conheço e não é de hoje“… “Oi, você não é amigo da Fulana?!”; “Sim, também lembro de você, rs“. Depois disso, foram alguns encontros e desencontros e essa amiga em comum volta e meia acaba nos “unindo”. O legal, é que independentemente de qualquer coisa, criou-se uma amizade bacana e hoje em dia até trabalhamos juntos em algumas ocasiões. #MandaJobs, rs…

• • •

Tive algumas outras experiências com o happn que também foram histórias interessantes. Acho que sempre temos algo pra aprender e vivenciar. Entre levas de meses usando e outras não, me vejo em um00a terceira fase com o aplicativo e conhecendo novas pessoas. Certamente terei mais casos para contar daqui a um tempo, rs…

Alguém tem experiências legais com aplicativos de relacionamento para compartilhar?! Quero saber! rs… E quem ainda tem dúvidas sobre usar ou não, eu só digo uma coisa: se joguem! :) Pode até dar um pouco de preguiça no começo, eu entendo, mas certamente pode valer a pena. 😉

Beijos,
Mandy

Você também pode gostar
Comentários
  1. Helo Inoue • jul 07, 2017 - 11:19

    AHAHHAHAHAHAHHAHAHA Adorei suas histórias, Mandy
    Tive algumas histórias engraçadas tb
    mas acho que uma situação muito engraçada que mta gente passa é o Golpe do Avatar
    Eu quase caí em um
    socorrrroooo

    aguardo próximos posts
    beijão

  2. Helo Inoue • jul 07, 2017 - 11:23

    NOOOOSSSSSAAAAA! E esqueci a parte mais divertida
    e os perfis malucos que aparecem ???? HAHAHHAHAHAHHAHAHAHA

  3. Marina Mello • jul 07, 2017 - 12:50

    Bom, eu namorei durante 8 anos e quando terminei também entrei naquela crise existencial natural de um fim de namoro.
    Depois que passou me entreguei ao tinder e happn, conheci muita gente legal, gente de perto, gente de outras cidades, mas só conversei com gente interessante. Até que depois de uns 4 meses de aplicativos conheci meu atual namorado, a primeira vez que saímos já sentimos que tinha algo diferente, e desde então não desgrudamos mais. Estamos juntos há 7 meses graças àquele deslizar de dedo para a direita (ou esquerda, já esqueci) hahahahaha

  4. Malu • jul 07, 2017 - 15:20

    Eu era super cricri com esses apps. Achava ridículo um cardápio de pessoas, confesso. Mas minhas amigas, todas solteiras na época, e eu também, super falavam bem do Tinder. Que estavam conhecendo várias pessoas por ele e etc. E que o Rio estava cheio de gringos porque era Copa do Mundo, claro! Haha Instalei o Tinder, me diverti um pouco, tive crushs estrangeiros até que conheci meu amor. <3 Sim! Hoje vivo (moro mesmo, junto) com a pessoa que conheci no Tinder e que amo. <3 <3 Somos nós dois e dois animaizíneos, um gato e uma cachorra. <3

  5. Keilla • jul 07, 2017 - 16:23

    Amanda, neste domingo fazem 08 meses que comecei a namorar um cara que conheci pelo happn. Eu usava o tinder antes mas não tava dando em nada, aí baixei o happn. Fazia pouco mais de 01 mês que eu havia começado a trabalhar num novo local (fui demitida do emprego anterior e uma amiga que faz o RH desse novo job me conseguiu). Ele mora há 10 minutos a pé do meu emprego. Foi conexão no primeiro encontro. Nossas conversas fluíam, nossos desejos e metas batem, não desgrudamos mais. Eu indico aplicativos a todo mundo, acho que com paciência dá pra conhecer boas pessoas.

  6. mari • jul 07, 2017 - 22:07

    quanta historia legal………mas nao tenho coragem…kkkkkkkk,,,,,bjs

  7. Marilia • jul 11, 2017 - 17:19

    Só encontrei pessoalmente 2 caras do Happn, o primeiro era meu vizinho, de prédio mesmo… rsrsrs Veio no meu apartamento, tomamos vinho mas nada rolou… Ainda nos encontramos as vezes no elevador mas é uma situação meio estranha… O outro, ficamos juntos por 8 meses, mas depois de todo esse tempo mesmo ele tendo me apresentado os pais, passamos o Ano Novo juntos e sempre nos viamos em todos finais de semana, não queria nada sério e eu pulei fora…
    Agora estou de volta no app torcendo pra encontrar alguém legal e queira algo sério… rsrs
    ADOREI SEU POST!!!
    E também serei madrinha de uma amiga que eu indiquei o app e está super firme com o cara já pensando em casamento… hahaha

  8. Bruna Almeida • jul 12, 2017 - 22:59

    Amei esse post !
    Eu já tive experiências muito boas com gente que virou amigo.
    E péssimas experiências com um cara que tentou me bater pq eu estava jantando com um amigo e uns doidos que mandam nude sem permissão.
    MAS O SALDO É POSITIVO

  9. Sâmia Laços • jul 16, 2017 - 10:32

    Ahhhhhh, amei! O publipost mais gostosinho de ler da vida haha
    Já usei o happn quando tava solteira, dava uns match mas depois eu não sabia como agir e ficava por isso mesmo. Mas acho a proposta do app muito legal.

  10. yasnaya • jul 18, 2017 - 08:49

    CARAAAAAAAAAAA HAHAHAHAHAAHHAHAHA que trágico!!!!!!!
    E eu pensando que só comigo aconteciam loucuras, eu hein, menina parece enredo de um livro da Sophie Kinsella, esse seu primeiro encontro no happn.

    Eu tenho já faz um tempão, mas vou e volto, dou grandes intervalos.
    Minha experiência com o app me trouxe uma pessoa super bacana que mora em SP, só que moro em Maceió/AL, ele foi um fofo desde o início, a gente conversava muito, mas nos desencontramos total, ele foi morar na Austrália, perdemos contato, ele voltou, falamos de novo, mas não durou, coisas da vida. O engraçado é que não rolava paquera sabe, o papo era muito agradável de amigos, eu adorava isso, pena que acabou ¯\_(ツ)_/¯ SDDS.

    A outra experiência não foi muito boa, a gente saiu, rolou um clima, era legal, bjinhos e tal, mas ele foi um babaca mesmo e deixa pra lá, já passou. Ele mora aqui, às vezes a gente se esbarra, mas só dá vontade de vomitar na cara dele, enfim, eu rio e vou embora, não vale a pena.

    Olha, mas o que mais me diverte são as fotos e a bio dos caras.
    Mesmo que não dê crush eu me divirto.
    Essa semana li uma bio que dizia: “pronto pra conhecer a próxima mulher que vai acabar com a minha vida”!!!!!!!!!!!
    PAÇADA!

  11. Carolina Kriger • jul 18, 2017 - 10:55

    Amei suas histórias, já passei por alguns momentos parecidos.

  12. Jaqueline R. Silva • jul 24, 2017 - 04:04

    Kkkkk adorei as historias!! Principalmente a do assalto!! A conversa com o boy tava tao boa que esqueceu que tava no Rio! kkkk

  13. Vivian • jul 24, 2017 - 23:20

    Mandy!!!!! Eu casei com meu crush do happn =)

    • Mandy • jul 25, 2017 - 04:09

      Sério?! Que incrível! Tô adorando esses depoimentos! rs…
      Beijos!!

Voltar para o topo!