dez 08, 2015 | Por Mandy em Destaques, Reflexão, Series, Starving recomenda

6 MOTIVOS PARA ASSISTIR JESSICA JONES AGORA!

Queria ter feito esse post há muitos dias, mas tive que me ausentar por motivos de saúde (fiquei alguns dias hospitalizada, mas já está tudo bem!) e uma das primeiras coisas que fiz chegando em casa foi finalmente terminar de assistir Jessica Jones. Faltavam só 2 episódios e a ansiedade era grande! rs…

Jessica-Jones-serie-nova-netlflix-feminismo-motivos-tv-assistir

Bom, já tinha ouvido algumas pessoas falarem da série da Marvel + Netflix e resolvi começar a assistir. Não imaginava que fosse gostar tanto! Depois disso, era Jessica pra cá, Jessica pra lá… Todo mundo falando do seriado. Se você ainda não assistiu, aqui vão 6 motivos para começar agora:

Jessica-Jones-serie-nova-netlflix-feminismo-motivos-tv-assistir-feminismo-reflexao-abuso

1 – Não é mais uma série sobre super-heróis. Jessica Jones é uma série sobre abuso e a cultura do estupro. Jessica é uma detetive particular que tem superpoderes (adquiriu uma força sobre-humana depois de um acidente), mas eles são coadjuvantes na trama. Vemos Jessica lutando (e muito!), mas para superar o estresse pós-traumático que Kilgrave, vilão da história, causou em sua vida. Ele comandava sua mente e a obrigava a satisfazer todos os seus desejos, desde participar de crimes até desejos sexuais (leia-se: estupro!). A relação era tão doentia que Jessica tem dificuldades em distinguir o que ela fez por vontade própria ou a mando de Kilgrave.

Jessica-Jones-serie-nova-netlflix-feminismo-motivos-tv-assistir-feminismo-reflexao-abuso

Kilgrave não é só o malvado da história, ele é uma metáfora de muitos homens que manipulam, abusam, ameaçam, chantageiam e estupram mulheres por aí. E sabemos que não são poucos, infelizmente… Ter uma série que aborda temas como esses é importantíssimo.

Jessica-Jones-serie-nova-netlflix-feminismo-motivos-tv-assistir-feminismo-reflexao-abuso

2 – Jessica não é uma heroína comum. Ela é complexa e sem clichês. Jessica bebe (bastante!), não usa uniforma de heroína (e sim jeans e camiseta), não é simpática, não é fofa, tem dificuldades para se relacionar com as pessoas e não está nem aí para o que os outros pensam. É cheia de nuances. É forte, é independente.

Jessica-Jones-serie-nova-netlflix-feminismo-motivos-tv-assistir-feminismo-reflexao-abuso

3 – As mulheres dominam a série. Como se não bastasse a protagonista ser uma mulher, Jessica está rodeada delas. As personagens são bem desenvolvidas, fortes, independentes e bem sucedidas. Trish, sua amiga-irmã, foge completamente do estereótipo linda, loira e frágil. Hogarth é uma advogada gay poderosíssima e outras mulheres, igualmente fortes, completam o catálogo da trama. Nenhuma faz papel de vítima indefesa, pelo contrário. Todas estão no comando de suas vidas sem precisar de homens para defendê-las. A série tem ótimas referências ao empoderamento feminino e não se baseia em estereótipos de gênero.

Jessica-Jones-serie-nova-netlflix-feminismo-motivos-tv-assistir-feminismo-reflexao-abuso

4 – Diversidade. Negros, gays, relação interracial,… Além da representatividade, tão importante em filme, séries e programas em geral, a trama fica muito mais interessante e rica. Resumo, todo mundo sai ganhando.

Jessica-Jones-serie-nova-netlflix-feminismo-motivos-tv-assistir-feminismo-reflexao-abuso

5 – Amizade entre mulheres. Adoro a relação da Trish com a Jessica. Mostra que amizade genuína entre mulheres é possível sim. Para mim, é um dos pontos altos da série.

Jessica-Jones-serie-nova-netlflix-feminismo-motivos-tv-assistir-feminismo-reflexao-abuso

6 – A Krysten Ritter é demais. Não acompanhei muitos papéis dela, mas sinto que foi uma excelente escolha para interpretar Jessica Jones. Além de ser uma ótima atriz, Krysten conseguiu trazer um tom sarcástico perfeito para a personagem.

Jessica Jones não é apenas uma série feminista. É baseada no HQ, claro, mas foi escrita por uma mulher, tem estrutura narrativa feminina e personagens femininas fortíssimas que resolvem seus problemas sem os meios masculinos que já estamos tão acostumadas a ver em outras séries e filmes.

A boa notícia é que essa é apenas a segunda série da Marvel com o Netflix. Depois de Demolidor e Jessica Jones, Luke Cage também ganhará uma montagem só sua e ainda haverá um crossover de todos eles em uma série inédita, ainda sem data, mas que vai acontecer! :)

Quem aí também assistiu e adorou?! ?

Beijos,
Mandy

Você também pode gostar
Comentários
  1. Mah • dez 10, 2015 - 00:59

    Eu sinto essa representatividade em várias séries produzidas pelo Netflix.
    Acabei de terminar sense8 (que sérieee!!!), e também tem de tudo. Gay homem, gay mulher, gay trans, negro, oriental…
    House of cards também aborda a homossexualidade.

    Mas, o tema de estupro me deixa meio incomodada/chocada… Sou daquelas que vê reportagem de prostituição infantil no Fantástico e já fica sem vontade de ~entrar em ação uns bons dias rsrs

    Tem cenas fortes nesse seriado?

    • Mandy e Gabi • dez 10, 2015 - 20:51

      É verdade, Mah! Eu assisti Sense8 antes de Jessica Jones e adorei!
      Em nenhum momento tem cena de estupro na série, isso é apenas falado. É bem mais sobre o estresse pós-traumático dela..
      Dá uma chance, é bem boa! :)
      Beijos,
      Mandy

Voltar para o topo!