jan 11, 2016 | Por Mandy em Destaques, Estilo, Looks, News, Tendências

GENDERLESS :: A MODA DE GÊNERO NEUTRO

Provavelmente você já ouviu o termo “genderless” por aí. O movimento que não faz distinção entre masculino e feminino está cada vez mais presente na moda. Peças que podem ser usadas por todos começaram a aparecer há algumas temporadas. Recentemente a Melissa lançou sua nova coleção de Inverno com dois modelos de sapato que se encaixam nesse perfil: a rasteira Flox Unissex e o oxford Grunge, que terão numeração até 43.

genero-genderless-gender-melissa-moda-fashion genero-genderless-gender-melissa-moda-fashiongenero-genderless-gender-melissa-moda-fashion

genero-genderless-gender-melissa-moda-fashion

É, não existem mais fronteiras na moda. As barreiras entre o masculino e feminino estão cada vez mais indefinidas, principalmente com todas as discussões sobre identidade de gênero que têm rolado nos últimos tempos. Desde pequenos fomos “ensinados” que rosa é cor de menina e azul é cor de menino e conforme vamos desconstruindo os estereótipos de gênero isso acaba afetando, consequentemente, a esfera do estilo.

jaden-smith-louis-vuitton-genero-genderless-gender-melissa-moda-fashion-gabriel-gontijo-iorane-ruby-rose

Já falei sobre a maravilhosa da Ruby Rose nesse post, lembram? A modelo e atriz, que se considera “gender fluid“, possui uma marca de roupas agênero com a ex-namorada e estilista Phoebe Dahl.

genero-genderless-gender-melissa-moda-fashion

Givenchy Verão 2015

jaden-smith-louis-vuitton-genero-genderless-gender-melissa-moda-fashion-gabriel-gontijo-iorane

Jaden Smith para Louis Vuitton

jaden-smith-louis-vuitton-genero-genderless-gender-melissa-moda-fashion-gabriel-gontijo-iorane

Semana passada a nova campanha feminina da Louis Vuitton deu o que falar por estampar Jaden Smith, filho de Will Smith, usando saia. O menino deu várias entrevistas dizendo que não vê gênero nas roupas. Inclusive, ele já foi visto diversas vezes usando saias e vestidos. Nicolas Ghesquière entrou para dar uma modernizada na marca e a escolha de Jaden Smith foi tão coerente que fica difícil não curtir o resultado final das fotos.

E não é só lá fora que a moda agênero vem ganhando força. Além da Melissa, existem outras marcas brasileiras que vêm apostando nesse movimento.

genero-genderless-gender-melissa-moda-fashion

Desfile Ronaldo Fraga Inverno 2016

genero-genderless-gender-melissa-moda-fashion-gabriel-gontijo-iorane-ocksa

OCKSÅ – marca atemporal e genderless

Não diria que a neutralização de gênero seja uma tendência, mesmo que algumas marcas vejam desta forma e tentem surfar “nessa onda” para ganhar mais dinheiro. Acho que é um movimento natural que reflete mudanças importantes que vêm acontecendo na sociedade. A moda convencional, que estamos mais do que cansadas de ver por aí, já não reflete 100% a nossa realidade. Se o que existe agora não representa fielmente o mundo em que vivemos, precisamos criar novas formas e novos meios de expressar tanta diversidade. E o estilo pessoal não é uma das maneiras de mostrarmos nossa personalidade? Então a moda agênero faz uma declaração de quem a pessoa é, de como ela quer ser vista e que mensagem ela quer passar. Não está ligada ao mercado, e sim a valores pessoais. Não é apenas sobre homem usar saia, por exemplo. É simplesmente sobre não ter mais rótulos, não ter limites.

O que acham?!

Beijos,
Mandy

Você também pode gostar
Comentários
  1. Stephanie • jan 11, 2016 - 21:41

    Amei o tema do post, super atual! E já garanti minha flox preta. 😊

  2. Tamy • jan 12, 2016 - 10:58

    Acho que é óbvio o movimento da moda acompanhar as tendências da sociedade, mas acredito que esse é um momento onde essa ligação nunca havia ficado tão explicitada. E pensando na moda como arte, acho mto legal trazer a tona esse tipo de discussão.
    Outro dia fui com a minha filha de 1a5m a Zara para procurar uma camiseta para o pai dela… ela na arara de camisas sociais ou camisetas lisas, apontava e gritava “papai!”… quando chegamos nas camisetas regatas estampadas ou nas de modelagem mais fluidas, na hora ela apontou e disse “mamãe!”. Ela tem a maioria das roupas de cores neutras e simples, mas lógico, sempre tem a tia que fala que brilho, laço e rosa são coisas de menina. E isso acaba moldando a criança desde bebe… achei desconfortável, fiquei espantada com a divisão que ela já tem na cabeça…

  3. Barbara • jan 12, 2016 - 11:08

    Excelente matéria! Precisamos nos conscientizar e nos atualizar dos movimentos que vão além das tendências. Acho que nesse caso, a moda só acompanhou o curso natural da vida.
    Parabéns pelo conteúdo, vocês arrasam!
    Beijos,
    Barbara.

  4. […] Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28 e 29. […]

  5. […] me deixou mais ansiosa! É sobre a ascensão do hip-hop no Bronx (NY) dos anos 70 e ainda conta com Jaden Smith no elenco. É o primeiro trabalho para televisão de Baz Luhrmann, cineasta de Moulin Rouge! […]

  6. Luisa • nov 08, 2016 - 11:21

    Amei

Voltar para o topo!