me aventurando no punch needle

Lá no Instagram eu contei recentemente sobre mais uma aventura minha nas atividades manuais: o punch needle. Ponto russo e agulha mágica também são outros…

by 

Lá no Instagram eu contei recentemente sobre mais uma aventura minha nas atividades manuais: o punch needle. Ponto russo e agulha mágica também são outros nomes da técnica que tem apenas um ponto, mas diversas possibilidades.

Nesse post aqui eu falei sobre como as atividades manuais sempre fizeram parte da minha vida e como isso se intensificou neste último ano de pandemia, se tornando uma das minhas principais válvulas de escape. Ano passado eu aprendi a bordar com miçangas e paetês através de um curso online. Fiz vários bordados e sigo mergulhando nos DIYs sempre que tenho um tempo sobrando e um projeto legal na cabeça.

O punch needle é minha nova aventura, mas já estava com vontade de aprender há um tempo, só estava me faltando dar o primeiro passo. Procurei algumas infos na internet, comprei a agulha (a minha é a fina argentina), o tecido (etamine) e algumas lãs coloridas da espessura correspondente à agulha. Assisti alguns vídeos no Youtube e resolvi tentar… #fail kkkk Postei a minha primeira experiência frustrada no Instagram e, graças à ajuda de algumas seguidoras queridas, descobri a Raíssa, da @caasulo, que me deu várias dicas para continuar tentando. Tá vendo… nem sempre o que a gente vê na internet e julga fácil, é tão simples assim, rs.

registro da primeira tentativa nos stories, kkkry #fail

Bom, segui as dicas e a minha segunda tentativa deu BEM mais certo. Ainda sou iniciante, mas acho válido compartilhar algumas das dicas para quem pensa em começar também:

• Escolher um bastidor que seja bem resistente. Fiz primeiro em um de bambu que já tinha em casa e o tecido ficava escorregando e soltando o tempo todo. Na segunda tentativa eu usei um de plástico, bem mais duro, e deu certo. Agora comecei a fazer no chassi de madeira de pintura (50x100cm) com o tecido grampeado porque quero fazer peças maiores, como cachepots para plantas e capa e almofada. Tanto o chassi, quanto o grampeador de tapeçaria, eu comprei no Mercado Livre.

• Existem algumas opções de tecido, como etamine, juta, linho e cânhamo. Eu comprei etamine por ser mais barato, mas não sabia que a goma dele dificulta o bordado, por isso também que a minha primeira tentativa não deu certo. O ideal é deixar o etamine de molho com amaciante de um dia pro outro pra remover a goma. Assim, o tecido fica bem mais macio para bordar. ;)

segunda tentativa

Essas duas mudanças fizeram A diferença. Agora sinto que a cada tentativa eu melhoro um pouco. O ponto vai ficando mais certinho, o acabamento e arremate também.

Além disso, durante as últimas semanas eu venho trocando ideia com a Raíssa por DM no Instagram e ela me convidou para fazer o curso online dela. Maratonei o módulo 1 no sábado e já to doida pra acompanhar o restante dos conteúdos. Quem quiser se aventurar também, tem cupom de desconto “STARVING”! ;)

nova tentativa, já na moldura de chassi de madeira

Pra quem se interessou, eu recomendo muito tentar começar o punch needle. Depois que pega o jeito passa a ser muito relaxante. Acho que é uma atividade mais fácil que o bordado livre, por exemplo. Mesmo quem ache que não tenha muita aptidão manual, vai se dar bem com a técnica. Se bem que eu não acredito nisso, acho que tudo é questão de prática mesmo.

Vou continuar me aventurando na técnica e compartilhando meus bordados com vocês. :) Será que vem um tapete por aí? rs…

Enquanto isso, vou deixar aqui alguns dos perfis que eu mais gosto de seguir no Instagram e a minha pasta do Pinterest cheia de referências. ;)

Beijos,
Mandy

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.